Campanha mostra importância de contratar profissional habilitado e exigir ART

Campanha mostra importância de contratar profissional habilitado e exigir ART

Por CREA-RN em 11/03/2020 às 02:23

O Conselho Regional de Engenharia e Agronomia do Rio Grande do Norte (Crea-RN) vai intensificar, nos próximos dias, a fiscalização nos principais polos carnavalescos do Rio Grande do Norte. A campanha "Carnaval Legal" tem como objetivo confirmar a presença de responsáveis técnicos para os projetos e execuções nos locais onde há festejos de momo na capital e interior potiguar.

A presidente do Crea-RN, Ana Adalgisa Dias, explica que “a campanha Carnaval Legal, além do objetivo de proteger a sociedade para que possa de se divertir em segurança, defende o profissional, pois é importante sempre lembrar aos organizadores dessas festas que a presença de um profissional na elaboração dos projetos junto ao Crea-RN é de extrema relevância”, destacou.

Durante a vistoria, os fiscais do Crea-RN vão verificar, ainda, a existência das Anotações de Responsabilidade Técnica (ART’s) nas áreas de infraestrutura como: arquibancada, camarotes, palco, iluminação e trios elétricos. O plano de combate a incêndio, instalação de geradores e banheiros químicos são outros quesitos que serão verificados pela equipe de fiscalização do Crea-RN.

Segundo o gerente de Fiscalização do Crea-RN, Heulyson Arruda, o objetivo da campanha Carnaval Legal é verificar se há responsabilidade técnica para os projetos. “Não queremos atrapalhar a festa, mas sim garantir que a folia ocorra realmente em segurança”, disse Arruda.


Fiscalização

A presidente do Crea-RN, Ana Adalgisa Dias, lembra que as ações de fiscalização do Crea-RN são constantes em todos os municípios do estado do Rio Grande do Norte, com rotas de viagens periódicas. Em 2019 foram realizadas 5827 fiscalizações para coibir o exercício ilegal da profissão, lavrados 4.042 autos de infração, atendidas 937 denúncias e geradas 1.285 ARTs após a fiscalização. “Em 2019 investimos mais de R$ 317 mil, sendo R$ 190 mil somente em equipamentos para que os fiscais possam trabalhar com mais facilidade, além de agilizar o trabalho desempenhado pela equipe”, declarou Ana Adalgisa.